1 | 2

Sinfônica encerra Mês Carlos Gomes com dois concertos no Castro Mendes

02/10/2014
www.campinas.sp.gov.br
 
O Mês Carlos Gomes, homenagem aos 118 anos da morte do compositor e maestro campineiro, será encerrado em grande estilo com a apresentação do poema sinfônico “Colombo”, de Antônio Carlos Gomes, pela Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas. As apresentações serão nesta quinta-feira e no sábado, 2 e 4 de outubro, às 20h, no Teatro Municipal “José de Castro Mendes”. A regência será do maestro titular da Sinfônica, Victor Hugo Toro, com a participação dos coros Collegium Vocale e Coro Contemporâneo de Campinas.
 
Poema sinfônico é a obra musical baseada em um poema ou texto literário, geralmente em forma de sinfonia, como é “Colombo”, que será executado pela Orquestra e interpretado pela soprano Haydée Dabusti, no papel de Isabel de Castela; pelo barítono Erick Souza, como Cristóvão Colombo; pelos baixos Gustavo Lassen, como Don Diego, e Carlos Eduardo Marcos, como Frade; pela mezzo-soprano Lígia Monteiro, como Dona Mercedez; e pelos tenores Richard Bauer, que faz Fernando de Aragão, e Daniel Umbelino, como Don Ramiro. 
 
O coro do Collegium Vocale será regido por Akira Kawamoto e o  Contemporâneo de Campinas, por Angelo Fernandes. 
 
Sobre a peça
“Colombo” é a última composição de grande porte do maestro Carlos Gomes, explica a historiadora e pesquisadora Lenita Nogueira. A peça estreou em 1892 no Rio de Janeiro. Diferentemente de uma ópera, o poema sinfônico não tem cenário e figurinos. A obra foi dedicada ao quarto centenário do descobrimento da América.
 
A peça conta, de modo geral, a saga de Cristóvão Colombo, que parte da Espanha rumo à América. E, após a sofrida trajetória, retorna triunfante à terra natal, onde é recebido calorosamente. E, por isso, a obra é finalizada com “Inno al nuovo Mundo”, que representa um novo tempo para a coroa espanhola. 
 
Sobre Carlos Gomes
Carlos Gomes nasceu em Campinas, em 11 de julho de 1836, e morreu em Belém, em 16 de setembro de 1896. Foi compositor de óperas e dedicou a maior parte de sua produção musical a esse gênero. Escreveu diversas canções, hoje bastante reconhecidas e executadas. 
 
 
Regente
Victor Hugo Toro – Maestro titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (OSMC). Nascido  em  Santiago, no Chile, estudou  Regência Orquestral e graduou-se pela Faculdade de Artes da Universidade do Chile. Foi vencedor do II Concurso Internacional de Regência Orquestral- Prêmio Osesp. Tem sido convidado a reger diversas Orquestras pelo Brasil e no Exterior. Além de regente, Victor Hugo Toro é também compositor e suas obras têm sido interpretadas  por diversos grupos sinfônicos e de câmara.
 
Erick Souza  - Barítono. Integra o Coro de Câmara da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). Estudou no Centro de Estudos Musicais Tom Jobim. Participou de sete edições do Festival Música nas Montanhas de Poços de Caldas e de montagens de ópera como “Il Campanello di Notte”, “La Traviatta”, “Il Pagliacci”, “Falstaff”, “Cavalheiro da Rosa” e “Butterfly”. Foi integrante do Coro Jovem do Estado de São Paulo, de 2002 a 2008, e atuou como solista na Missa da Coroação de Mozart e na Nona Sinfonia de Beethoven na Orquestra Filarmônica Bachiana.
 
Haydéé Dabusti – Soprano. Especializada em canto lírico, já se apresentou em diversos países, como Colômbia, Chile, Argentina, Itália, entre outros.  Estudou no Instituto Superior de Arte do Teatro Colon. Recebeu o Prêmio de “Melhor Cantora de Ópera da Argentina”, em 2007 e 2011, pela Associação de Críticos de música da Argentina. Em abril de 2013, recebeu uma medalha de ouro no Dia Internacional da Mulher, no Coliseo Podestá Teatro de La Plata por suas contribuições culturais para a Província de Buenos Aires, pela Câmara do Senado. 
 
Richard Bauer – Tenor. Debutou em ópera em 1996. Atuou no maiores palcos brasileiros como Teatro Municipal de São Paulo, Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Teatro Amazonas (Manaus), Teatro da Paz (Belém), Teatro Municipal José de Castro Mendes (Campinas), entre outros e em países como Itália, Colômbia e Portugal. Tem no currículo execução de obras como “Aida”, “Nabucco”, “La Traviata”, “La Forza del Destino”, “Il Trovatore”, entre tantas outras. 
 
Carlos Eduardo Marcos – Baixo. Presença constante nas principais casas de ópera do Brasil. No extenso repertório estão papéis como Padre Guardiano (“La Forza Del Destino”, Verdi), Zaccaria (“Nabucco”, Verdi), Ramfis (“Aida”, Verdi), Don Basílio (“Il Barbiere di Siviglia”, Rossini), Figaro (“Le Nozze di Figaro”, Mozart), Sarastro e outras. Fez as estreias mundiais das óperas brasileiras “O Anjo Negro” (Ripper), “A Tempestade” (Miranda), “Eros-ion!” (Chagas), “Olga” (Antunes) e “O Rei que Ninguém Viu” (Travassos). 
 
Lígia Monteiro - Mezzo-soprano. Iniciou os estudos musicais na Escola Municipal de Música de São Paulo (Emesp), no curso de Canto Lírico. Participou de master class em diversos países e do Barcelona Festival of Song em 2012. Como solista, cantou Les Contes d’Hoffmann, (Nicklausse/Muse), Gianni Schicchi (Zita) e Iphigénie en Tauride (Prêtresse). Como camerista, realizou diversos recitais de canto e piano e canto e violão, em seu duo Chordés.
 
Daniel Umbelino – Tenor. Formando em Canto pela Escola de Música de São Paulo (Emesp), vem se especializando na interpretação do Lied Alemão. Cursou Ópera Estúdio na Emesp e Música Antiga. Consta no repertório ciclos como “Die Schöne Müllerin” de Franz Schubert, “Liederkreiss” e “Dichterliebe” de Robert Schumann. Na temporada 2014, do Theatro São Pedro, se apresentou como O Cita e Ministro do Templo na ópera “Iphigenie en Tauride” de Gluck e Don Curzio em “Le Nozze di Figaro de Mozart”. 
 
Gustavo Lassen – Baixo. Formado pelo Instituto de Arte e Ciência (Indac), faz parte de sua formação o Ópera Estúdio Emesp (Escola de Música do Estado de São Paulo), Atuou em “O Guarany” (Don Antonio), “Falstaff” (Pistola), “Il Rigoletto” (Sparafucile), “O Franco Atirador” (Eremita), “La Cenerentola” (Don Magnifico), “Gianni Schicchi” (Simone), “Os Contos de Hoffmann” (Lindorf/Dr. Miracle), “Il Barbiere di Siviglia de G. Paisiello” (Don Basilio) e outros.  Vencedor do XI Concurso de Canto Maria Callas. 
 
Collegium Vocale Campinas - Criado em 2005, é formado por professores, estudantes de canto e amantes da música coral. Dedicado especialmente à execução da música coral erudita, é regido pelo maestro Akira Kawamoto desde a formação.
 
Coro Contemporâneo de Campinas - Criado em 2009 pelo atual regente, Angelo Fernandes, e por alunos do curso de Música do Instituto de Artes Unicamp. O repertório inclui peças a capella de todos os períodos. 
 
 
ANTÔNIO CARLOS GOMES (1836 - 1896)
Lo Schiavo, "Prelúdio"
Lo Schiavo, “Come serenamente”
Lo Schiavo ,“Quando nascesti tu”
Condor, “Notturno”
Il Guarany, "Sento uma forza indomita"
 
Intervalo
 
"Colombo" - poema vocal sinfônico em quatro partes
 
Libreto de Albino Falanca
Introdução
 
Ove sono
Tal_ cui non ha la terra
Era un tramonto d’oro
Gloria! trionfo
Pur a toccar l’eccelsa ambita meta
Non fosti mai si bel
Augusta regina
È sempre puro il ciel_ calmo il mar
Vitoria! Vitoria!
Salve immortal conquistator
 
 
Serviço
Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas - Especial Mês Carlos Gomes – “Colombo”
 
Datas: 2 e 4 de outubro, quinta-feira e sábado
Horário: 20h
Preços: R$ 25,00 (inteira), R$ 12,50 (estudantes, aposentados e maiores de 60 anos), R$ 8,30 (professores das redes municipal e estadual de ensino e pessoas com deficiência), R$ 4,10 (estudantes das redes municipal e estadual de ensino).
Local: Teatro José de Castro Mendes - Praça Corrêa de Lemos, s/nº, Vila Industrial
Bilheteria: (19) 3272-9359, (terça a domingo, das 16 às 21h). Ingressos à venda a partir de quarta-feira.

Estação Cultura
Pça. Mal. Floriano Peixoto, s/nº
Centro - Campinas - SP
Tel.: (19) 3705-8000